Historia

Precursores

Precursores
José María Williner
(1855 - 1933)

A situação econômica do lugar onde ele morava na Europa não era próspera então decidiu procurar novas e amplas possibilidades para sua vida. Chegou à Argentina carregando a vontade de ferro para o progresso e a força de seus braços jovens.

Ele desenvolveu um trabalho importante no campo da leiteria, sem abandonar a vida social e a atividade pública. Destacou-se como um homem de coração largo e generoso.

José María Williner nasceu em Grachen, cantão do Valais (Suíça) em 1855. Seu pai se dedicava à fabricação e reparação de guarda-chuvas e sombrinhas.
A situação econômica do lugar em que moravam não era próspera e por isso decidiu procurar novas e amplas possibilidades para sua vida.

Naquela época, na Europa, se falava da América como a terra onde podiam se desenvolver modernos horizontes contando com a força necessária. Com 22 anos apenas completados chegou à Argentina carregando sua vontade de ferro para o progresso e a força de seus braços jovens. Instala-se primeiro, em Pilar. É o ano1882 e compra a Don Ricardo Aldao suas primeiras terras em Colonia Bella Italia.

Em 1885 casou-se com Matilde Zurbriggen e dessa união nasceram dez filhos. Ele foi um dos primeiros que se dedicou totalmente à pecuária, a uma purificação significativa das raças fazendo cruzamentos de seus animais com outros puros. Toda essa paixão o leva ao campo de laticínios, começando com a instalação de tambos com animais de boa  produção, chegando a ter 14 deles trabalhando e todos servidos por camponeses do cantão de Valais, que como ele mesmo, vieram a estas terras em busca de um futuro melhor.

No alvorecer do século chega a produzir um fluxo significativo de leite que entrega à The River Plate Dairy Company, mais conhecida como "Las Colonias" e com acordo feito com eles construiu laticínios em terras de sua propriedade, sendo o primeiro na jurisdição de Bella Italia e o batiza com o nome "A Suíça", em homenagem ao país de onde viera. Uma realização semelhante fez em Felicia e em Hersilia.   

Anos mais tarde, seu filho mais velho Alfredo vai se  introduzindo na atividade de seu pai e divide com ele as idas e vindas diárias, resultando um eficaz colaborador e um eficiente apoio na administração e coordenação da produção dos tambos.

No aspecto de sua vida social, José María Williner  destacou-se como um homem de coração largo e generoso, amante do progresso.

Na vida pública destacou-se pela atividade desenvolvida na compra e venda de terras e na organização dos primeiros povoados, preocupado para que eles avançaram, e esteve à frente das comunas de Bella Italia e San Guillermo como Presidente da Comuna. Ele foi um dos fundadores da Cooperativa de Consumos de Rafaela, hoje Supermercados Quijote.
Morreu em Rafaela em 4 de agosto de 1933.

Alfredo Williner
(1886 - 1941)

Filho primogênito de José María Williner.

Como era costume na época, começou a dividir as tarefas rurais com seu pai, e esse foi o início da relação com o leite que duraria toda sua vida.

Além de ser pioneiro na atividade industrial, participou de movimentos comunitários, tomou parte ativa na vida cívica e participou na formação de várias instituições.

Don Alfredo Williner era o filho mais velho de José María Williner, suíço nascido e de Matilde Zurbriggen, filha de imigrantes suíços que compunham o grupo colonizador, que chegou ao centro-oeste de Santa Fe, no fim do século. XIX
Nascido em Lehmann (Santa Fe), o 28 de dezembro de 1886, estudou na cidade de Esperanza e quando os acabou, na sua condição de filho mais velho, como era costume na época, passou a dividir as tarefas rurais com seu pai, que possuia 14 tambos.

Este é o início da relação com o leite que ia durar toda sua vida e a ela dedicou todos seus anelos. Ele entendeu naquela época a importância de ter animais de classe boa para a produção de leite. Por esta razão, dedicou-se a melhorar a  raça Shorthorn leiteira. Esta especialização lhe proporcionou sucesso em muitos certames rurais.

Em 1912 ele se casou com Magdalena Rosa Armando, filha de imigrantes italianos e dessa união nasceram quatro filhos: Hilda, Laura, Armando e Miguel.

Produzida sua independência económica, afronta particularmente a exploração agropecuária e como já tinha uma longa experiência na indústria de laticínios e tinha vislumbrado o potencial da área para essa atividade, instalou em 1928 um laticínio na Colonia Bella Italia (Santa Fe), origem da atual empresa Sucesores de Alfredo Williner SA

São anos difíceis para a atividade industrial e comercial desde que a crise aflige o país. É preciso convencer os agricultores a incorporar o tambo a suas explorações, incentivar os iniciados, enfrentar a concorrência de uma empresa monopólica estrangeira e colocar os produtos num mercado apertado.

Apesar de todas as dificuldades, uma atitude singular alimentava sua fé na indústria de laticínios e o encorajava a continuar, mesmo contra a adversidade.

De um laticínio, em 1928, passa adicionar, num curto  tempo, quatro. Em 1934, instala sua fábrica própria de  manteiga, adicionando anos mais tarde a elaboração  de iogurte e doce de leite.

Toda essa atividade, toda essa fé na indústria de laticínios pode ser apreciada e avaliada hoje de forma justa. A área de seu trabalho como industrial pioneiro, é hoje a região leiteira mais importante da América do Sul.

Mesmo assim, para ele, não todo foi atividade industrial.  Ele entende que mora numa área que não pode ignorar, se ele quer avançar. A região deve progressar para que ele mesmo possa progressar.

Participa de movimentos comunitários que cristalizam na fundação da Sociedad Anónima de Hacendados de Rafaela, firma consignátaria de pecuária. O mesmo espírito de progresso levou-o a participar na fundação da Cooperativa de Hacendados de Hersilia, onde seu pai possuia propriedades.

Quando Rafaela foi agitada pelo problema elétrico, alistou-se nas fileiras daqueles que lutaram para ter uma usina própria. Foi assim que ele integrou o  diretório da Companhia de Eletricidade de Rafaela, que depois foi a Usina Elétrica Municipal.

Também participou na vida cívica, e uma vez foi eleito vereador suplente do Conselho Municipal de Rafaela. De junho de 1918 a janeiro de 1920 atua como presidente da Comuna de Bella Italia.

Foi membro, em diversas ocasiões, da Comissão do Diretório da Sociedade Suíça de Ajuda Mútua "A União", uma entidade criada para reunir imigrantes e descendentes dessa nacionalidade.

É surpreendido pela morte à prematura idade de 54 anos, em 14 de março de 1941, deixando uma indústria funcionando, como símbolo da fé que soube depositar na atividade leiteira.

Seus sucessores continuam desenvolvendo o trabalho empreendido e fazendo crescer a empresa iniciada por ele, com um nível de grande importância nos laticínios da Argentina e do exterior. Don Alfredo Williner é um exemplo claro do que pode ser alcançado com a vontade ao serviço do progresso de uma atividade que podia ser utilizada para fazer avançar uma área do país, diversificando e qualificando sua produção.

Armando Williner
(1919 - 2000)

Armando José María Williner marcou uma presença significativa no trabalho não só urbano, mas de uma grande área. Ele pode ser lembrado desde pontos de vista diferentes, agindo sempre com fidelidade segundo suas convicções e pensando no progresso de sua comunidade.

Passou em sua vida com a simplicidade dos grandes, forjou uma empresa com o entusiasmo e a perseverança dos visionários e deixou os vestígios que geralmente estampam os homens vigorosos.

Nacido Nasceu em Rafaela em 30 de setembro de 1919, Armando José María Williner marcou uma presença significativa na ação, não só urbana, mas de uma grande área. Neto e filho de pioneiros, ele herdou os impulsos inovadores de seus antepassados, e graças à sua personalidade forte, valorizou e fez crescer aquela criatividade que derivou numa das empresas protagonistas  no setor da produção leiteira da região: Sucesores de Alfredo Williner SA
Logo de acabado seu ensino médio, trabalhou com seu pai na empresa e quando ele morreu ficou como   responsável com apenas 21 anos, junto ao grupo familiar, composto então por sua mãe e três irmãos.

Ele conduziu com sucesso essa planta diretamente ligada a uma das fontes produtivas destacadas desta área: o laticínio.  No entanto, Don Armando como era chamado, também teve tempo para se envolver em várias atividades relacionadas ao dever cívico, o esporte e o desenvolvimento regional e, principalmente, com seus amigos e familiares. Junto com sua esposa Alicia Piovano construiu uma casa sólida prolongada em quatro filhos e doze netos.

Ele pode ser lembrado a partir de diferentes pontos de vista. Foi o primeiro presidente do Instituto Municipal de Habitação, entidade criada durante a gestão do prefeito Rodolfo Muriel que mudou, para melhor, a paisagem dos edifícios dos setores da cidade e contribuiu decisivamente para a realização da casa própria para muitos rafaelinos.

Ele também abrangeu áreas de liderança no sindicalismo empresarial e chegou a ocupar a titularidade do Centro Comercial e industrial do Departamento Castellanos, gestão que se lembra  como de portas abertas, com um valioso espírito de ação conjunta.

Rotariano, desde o início da instituição em Rafaela, dedicou tempo e esforço à tarefa de sócio e dirigente  do clube que ele presidiu, assim como aconteceu na Sociedade Suíça La Union.

Atuou decisivamente nos vários níveis de liderança na Liga Rafaelina de Futebol e, especialmente, no seu clube amado, Ben Hur onde ele foi presidente e especialmente um torcedor de entusiasmo nas celebrações das vitórias no futebol e basquete.

Presidiu também a Associação Santafesina de Industriais de Laticínios e da Câmara de Manteigueiros, foi vice-presidente do Centro de Indústria de Laticínios e membro do Conselho Provincial do Leite de Santa Fé, diretor da Usina Elétrica Municipal e da Sociedade Anónima Geral de Consumos de Rafaela.

Certamente, a nomeação de atividades está incompleta, mas alcança para traçar o espírito inquieto de Don Armando Williner.

Ele foi a inspiração, orientação e guia permanente de uma família de empresa que continua até hoje orientando às empresas que compõem o Grupo Williner.

Seu espírito de humildade, seu amor ao trabalho, sua integridade inabalável, foram admiradas e continuam a ser um exemplo para os seus entes queridos, empregados, amigos e aqueles que já tiveram a oportunidade de conhecê-lo.

Muito jovem já dirigiu com sucesso a empresa, sabendo superar com sabedoria e grande habilidade as dificuldades encontradas, sem os confortos oferecidos pela modernidade de hoje.

Don Armando José María Williner, homem visionário que herdou de seus antepassados o espírito empreendedor que o caracterizava, marcou uma presença significativa nas ações de sua cidade natal e uma ampla área, dedicando seu tempo a várias atividades relacionadas à indústria, a produção , ao desenvolvimento comunitário, ao esporte e ao progresso regional.
Seu caráter era cordial, sua presença aprezada e querida por sua conversa fluida e agradável, o sentido de humor inteligente e seus comentários oportunos.

Ele morreu na cidade de Rafaela em 8 de novembro de 2000.